sábado, maio 31, 2008

EM TEMPOS DA PIOR MEDIOCRIDADE POLÍTICA, NO MUNDO MAS EM ESPECIAL NO BRASIL, VALE A PENA LER MAQUIAVEL, SOBRETUDO SOB A OPTICA DE UM BRILHANTE ANALISTA, COMO É MAURIZIO VIROLLI. RECOMENDO O LIVRO. PUBLICADO HÁ BOM TEMPO, MAS É MAIS DO QUE ATUAL !
RR



THE NEW YORK REVIEW OF BOOKS


The Original Spin Doctor

Article Tools Sponsored By
Published: December 3, 2000


Niccol's Smile
A Biography of Machiavelli.
By Maurizio Viroli.
Translated by Antony Shugaar.
271 pp. New York:
Farrar, Straus & Giroux. $25.

Although Nicollo Machiavelli was largely ignored during his own lifetime and vilified after his death, his time appears to have come (or to have come again). Now that the cold war has ended and political ideologies have been replaced by pollsters and spin doctors, Machiavelli's cleareyed assessments of power dynamics and pragmatic advantage are suddenly in vogue. Dick Morris, the manipulative inventor of President Clinton's strategy of triangulation, has written his own version of ''The Prince,'' and the scheming winner of the television show ''Survivor'' has been hailed by editorialists as a follower of Machiavelli.

The publication of a biography of the real Machiavelli, ''Niccolo's Smile,'' by Maurizio Viroli, a professor of politics at Princeton, may serve as a welcome antidote to the cliched image of self-interested knavery for which he has become known. In the 14 years he served the Florentine Republic as a high-level political adviser and ambassador, Machiavelli (1469-1527) appears to have been scrupulously honest, loyal to his superiors, kind to his subordinates and averse to the kind of toadying and flattery that might have advanced his career. Although he was not beyond lobbying for a job -- The Prince'' was written to impress Lorenzo de' Medici -- he spent most of his final years in dignified poverty on his family farm.

Machiavelli's disillusioned vision of power politics was a direct reflection of the brutal reality of political life in Renaissance Italy. Machiavelli was appointed to office on May 28, 1498, just days after the reforming monk Girolamo Savonarola was executed for challenging the power of the mighty Medici family and the pope. The execution occurred just outside Machiavelli's office, and lingering thoughts of burned flesh may have accompanied him on his first days at work.

''When he climbed the steps of the Palazzo Vecchio to take office,'' Viroli writes, ''he was already familiar with the harsh side of politics.'' Savonarola became a model for Machiavelli's discussion of ''the unarmed prophet'': a man who took on powerful foes without having the political strength to defend himself.

Italy, in Machiavelli's time, was carved up into numerous principalities, duchies and city-states, making it vulnerable to frequent foreign invasions. Although Machiavelli was proud of Florence's republican form of government, he was often impatient with his city's temporizing and indecision, as well as with its reluctance to train and maintain a standing army. This made him more ready to appreciate the qualities of the ruthless Cesare Borgia: it is better to be feared than to be loved, Machiavelli concluded. His ideal -- on which he spent his last years in office -- was a republican militia that would give citizens a stake in the city's defense. But Florence's aristocratic leaders were afraid of putting too much power in the hands of the people, and kept him from developing the project fully. In any event, the Florentine Republic collapsed when it lost territory to Spanish troops in 1512, effectively ending Machiavelli's career.

Along with tracing the biographical background to Machiavelli's political philosophy, Viroli is interested in Machiavelli the individual। This is a potentially fruitful approach because Machiavelli is among the first generations of early modern people about whom we have a rich trove of personal information -- thousands of pages of letters and government documents. Viroli, strangely, does not appear to have done any original research and acknowledges relying heavily on the classic 1959 biography by Roberto Ridolfi, which used almost all the same documents and, generally, to better effect. Viroli's overuse of NiccolRated R's smile as his controlling metaphor and his jarring authorial asides lead to some embarrassing patches of writing, such as: ''But then we already knew what a rascal Machiavelli was.'' But the Ridolfi book is out of print in English and Viroli succeeds (sometimes despite himself) in offering a fascinating portrait of Machiavelli.


If Machiavelli was refreshingly free from conventional thinking in his published writing, he was even more iconoclastic, funny, self-deprecating and ironic in his private conversation and correspondence. When he learned, at the time of his father's burial, that others had been surreptitiously using the family tomb, he replied, ''Well, let them be, for my father was a great lover of conversation, and the more there are to keep him company, the more pleased he will be.'' Machiavelli loved conversation, friendship, womanizing, joking around and elegant wordplay. ''When your amusing, witty and pleasant conversation echoes about our ears, it relieves, cheers and refreshes us,'' one of his colleagues writes.

Even later in life, when he had lost all power and encountered every manner of misfortune, Machiavelli kept up the same brave and seemingly frivolous front. ''Now that you are not here,'' one of his friends writes in 1525, ''nothing is heard of either gambling or taverns or any other trivia.'' Machiavelli even tossed off some humorous verses after being jailed and tortured following his fall from power.

The personal Machiavelli, Viroli argues convincingly, is related to the political Machiavelli. In ''The Prince,'' he wrote that ''Fortune is a woman and likes the young and audacious,'' and in the personal sphere Machiavelli endorsed a similar carpe diem spirit. When one of his friends, a middle-aged married Florentine diplomat, writes asking him whether he should pursue a relationship with an attractive young woman, Machiavelli has no doubts: ''I have no response to your letter, except that you should give your love full rein and that whatever pleasure you seize today may not be there for you to seize tomorrow.''

What unites Machiavelli's personal and political sides is his desire that one's beliefs reflect life as it is actually lived rather than as we think it should be lived. In a letter to his friend and fellow diplomat Francesco Vettori about the curious mix of serious and ribald matters in their correspondence, Machiavelli writes: ''Anyone who might see our letters . . . and see their variety, would be greatly astonished, because at first it would seem that we were serious men completely directed toward weighty matters. . . . But later, upon turning the page, it would seem to the reader that we -- still the very same selves -- were petty, fickle, lascivious and directed toward chimerical matters. If to some this behavior seems contemptible, to me it seems laudable because we are imitating nature, which is changeable; whoever imitates nature cannot be censured.''

No Blog Panorama, de Mário Araújo Filho....

CITAÇÃO DE HOJE:
Nossos dirigentes têm uma visão limitada e um olfato pior. (Millôr)

CITAÇÃO PERFEITA, SOBRETUDO APÓS O FEDOR QUE EMANA DO CONGRESSO NACIONAL (COM O CASO PAULINHO DA FORÇA) E DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO RIO (COM O CASO DOS 40 % DE DEPUTADOS COM CAPIVARA E NÃO COM CURRICULUM VITAE).

RR
POR SUGESTÃO DE ORLANDO TAMBOSI, SEMPRE PREOCUPADO COM A CIÊNCIA E A TÉCNICA, A MATÉRIA ABAIXO,QUE TRAZ MUITA ESPERANÇA E ANSIEDADE !
RR





Psicologie e scienze cognitive
Verso una semantica cerebrale

Un computer che sa che cosa pensi


Per la prima volta si riesce a comprendere come il cervello codifichi i significati delle parole
Se pensate a qualcosa di concreto, c'è un computer che può leggere la vostra mente. Un gruppo di ricercatori della Carnegie Mellon University ha infatti messo a punto un modello computazionale che può decifrare e predire l'esatto schema di attivazione del vostro cervello associato in modo univoco ai nomi delle cose concrete, di quelle cioè che potete vedere, sentire, tastare, odorare o gustare.

Già esistono apparecchiature in grado di rilevare gli schemi di attività motoria del cervello e in tal modo consentire di muovere con il solo pensiero il cursore di un computer su un monitor o un braccio artificiale, ma questo rappresenta un salto di qualità, in quanto si tratta della prima volta che si riesce a comprendere come il cervello codifichi i significati delle parole, in cui cioè ci si muove sul piano della semantica cerebrale.

Come illustrano in un articolo pubblicato sulla rivista "Science", i ricercatori - diretti dall'informatico Tom M. Mitchell e dal neuroscienziato Marcel Just - hanno dapprima mostrato di essere in grado di rilevare, attraverso la risonanza magnetica funzionale, le aree del cervello che sono attivate quando una persona pensa una specifica parola. Successivamente hanno iniziato a prevedere gli schemi di attivazione cerebrale per parole concrete - cose esperite attraverso i sensi - per i quali non esistevano ancora dati nell'archivio delle loro registrazioni fMRI.

Il lavoro potrebbe quindi condurre a un uso delle scansioni cerebrali per l'identificazione di pensieri ed essere applicato allo studio dell'autismo o di disturbi come la schizofrenia paranoide o le demenze semantiche come il morbo di Pick.

Il gruppo di ricerca ha sviluppato un modello computazionale sfruttando gli schemi di attivazione fMRI di 60 nomi concreti, e analizzando statisticamente un insieme di testi per un totale di mille miliardi di parole. Il modello computazionale combina queste informazioni sulle parole utilizzate nel corpus dei testi per predire gli schemi di attivazione di migliaia di nomi che si riferiscono a oggetti e sensazioni concrete con un'accuratezza decisamente superiore a quella di uan scelta casuale.

"Riteniamo di aver identificato un certo numero dei 'mattoni' fondamentali che il cervello utilizza per rappresentare i significati", ha dichiarato Mitchell. "Accoppiando questi risultati con metodi computazionali che catturano il significato di una parola dal modo in cui è utilizzata in files di testo, questi mattoni costitutivi possono essere assemblati per prevedere gli schemi di attivazione neuronale per qualsiasi parola concreta. E abbiamo trovato che queste previsioni per le parole per le quali sono disponibili dati fMRI per testarle."

"Noi siamo sostanzialmente dei percipienti e degli attori", ha proseguito Just. "Così il cervello rappresenta il significato di una parola concreta con il modo in cui una persona lo sente o lo manipola. Il significato di una mela, per esempio, è rapprresentato nelle aree cerebrali responsabili per il sapore, l'odore, la masticazione. Una mela è ciò che fate con essa. Il nostro lavoro è un piccolo ma importante passo nella decifrazione del codice cerebrale."

Oltre alle rappresentazioni in queste aree senso-motorie i ricercatori hanno trovato significative attivazioni in altre aree, incluse quelle frontali alssociate alle funzioni di pianificazione e alla memoria di lungo termine. Quando qualcuno pensa a una mela, può per esempio innescare memorie legate all'ultima volta in cui ha assaggiato una mela, o pensare a come procurarsene una.

"Ciò suggerisce una teoria del significato basata sulle funzioni cerebrali", aggiunge Just.

Nello studio, nove persone sono state sottoposte a fMRI mentre si concentravano su 60 parole stimolo, cinque parole per ciascuna delle 12 categorie semantiche individuate dai ricercatori, fra cui animali, parti del corpo, edifici, vestiti, insetti, veicoli e vegetali.

Per costruire il modello computazionale, i ricercatori hanno usato una macchina che sfrutta tecniche di apprendimento per analizzare la parole in un corpus di testi che riflette l'uso tipico delle parole dell'inglese. Per ogni parola, ne calcolava la frequenza di occorrenza in associazione a 25 verbi correlati a funzioni senso-motorie, come vedere, ascoltare, gustare, mangiare, spingere, ecc., in modo da costruire una caratterizzazione statistica dell'uso delle parole.

Questi 25 verbi, notano i ricercatori, rappresentano i mattoni costitutivi che il cervello utilizza per rappresentare i significati.

Sulla base di questi dati e degli schemi di attivazione cerebrale delle 60 parole stimolo i ricercatori sono stati così in grado di determinare come ogni co-occorrenza con uno dei 25 verbi influenzava l'attivazione ci ciascuno dei voxel (,ossia dei "pixel" tridimensionali) in cui era stata suddivisa la scansione in 3-D del cervello.

A questo punto, per predire lo schema di attivazione fMRI per qualsiasi parola concreta presente nel corpus di testi, il modello determina le co-occorrenze della parola con i 25 verbi ed elabora una mappa di attivazione sulla base del modo in cui queste co-occorrenze influiscono su ogni voxel.

Nei test di controllo, un modello computazionale separato era stato addestrato, per ciascuno dei nove soggetti, ricorrendo a solo 58 delle 60 parole stimolo e ai loro schemi di attivazione associati. Il modello veniva poi utilizzato per predire gli schemi di attivazione delle due parole restanti. In media è risultato che il modello aveva un'accuratezza del 77 per cento nel predire gli schemi di attivazione effettivamente riscontrati nei soggetti. Il modello si è dimostrato in grado di predire gli schemi di attivazione anche nelle aree semantiche per le quali non era stato"addestrato".

In un altro test il modello è stato infatti addestrato in solo dieci delle 12 categorie in cui erano classificate le 60 parole stimolo, per essere poi testato con le parole stimolo delle categorie omesse; se queste erano per esempio quelle di veicolo e vegetale, il modello doveva esprimersi su parole come aereo o sedano. In questo caso l'accuratezza delle previsioni scendeva un poco, al 70 per cento, un valore comunque molto superiore a quello casuale.

Ora i ricercatori cercheranno di studiare gli schemi di attivazione per le combinazioni nome-aggettivo, e di frasi semplici, e successivamente di affrontare anche il problema della rappresentazione di parole e concetti astratti. (gg)

***

Sei già iscritto alla nostra newsletter? Puoi richiedere sul tuo computer il nostro "notiziario a domicilio", il servizio gratuito di informazione e aggiornamento scientifico personalizzato, semplicemente iscrivendoti a questo link



(29 maggio 2008)

sexta-feira, maio 30, 2008




A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO RIO É UMA ASSEMBLÉIA, OU UM CONJUNTO DE CAPIVARAS?
A CARA DE SUAS EXCELENCIAS DAQUELA "ASSEMBLÉIA" É DE METER MEDO NA CIDADANIA.

quinta-feira, maio 29, 2008



quarta-feira, maio 28, 2008



28/05/2008 UOL

Ministro do STF vota 'parcialmente' a favor da ação que questiona uso de células embrionárias

Claudia Andrade*
De Brasília

O ministro Carlos Alberto Menezes Direito votou parcialmente a favor da Adin (Ação Direta de Inconstitucionalidade) que questiona o uso de células-tronco embrionárias em pesquisas. Direito abriu a sessão de julgamento nesta quarta-feira (28), no Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília. A sessão foi interrompida para o almoço e será retomada às 14h.Na conclusão de seu voto, cuja leitura durou cerca de 3 horas, ele declarou-se favorável às pesquisas, mas desde que elas não impliquem na destruição de embriões viáveis. Ele também cobrou maior controle legal das clínicas de fertilização in vitro.
O ministro defendeu a "proibição de seleção de sexo ou características genéticas" no processo de fertilização 'in vitro' e a criminalização de pesquisas que sejam realizadas com células-tronco embrionárias em desacordo com a decisão. "As instituições de pesquisa deverão submeter seus projetos previamente à autorização pelo governo federal", propôs.
O ministro Carlos Alberto Menezes Direito, do Supremo Tribunal Federal, na retomada do julgamento sobre o uso de células-tronco embrionárias em pesquisas

No dia 5 de março deste ano, Menezes Direito, que é conselheiro da União dos Juristas Católicos do Rio de Janeiro, pediu vista da ação, suspendendo o julgamento. Nesta quarta-feira, o ministro manifestou sua posição contrária às pesquisas com células-tronco embrionárias afirmando que "o embrião é vida humana" e que, com isso, "a constituição o protege". Ele também defendeu o controle das pesquisas e a implantação de "limites não apenas decorrentes do medo do desconhecido, que não se originem somente de uma ponderação de riscos, mas que decorram de uma escolha ética, livre e responsável, consciente de nossa condição".

Menezes Direito afirmou que é preciso avaliar se a Lei de Biossegurança (que trata da pesquisa com células-tronco de embriões congelados) "é compatível com a proteção dispensada ao direito à vida e à dignidade da pessoa humana."
Alertou que o número de embriões congelados pode aumentar, caso os métodos para sua obtenção não sejam "otimizados" e ressaltou que "o ponto que se deve relevar agora - e sempre - é que a biologia deve necessariamente estar subordinada aos valores éticos, que devem prevalecer sobre os argumentos utilitaristas".Segundo o ministro, "é possível compatibilizar a lei com a constituição, abrindo espaço para as pesquisas, sem sacrificar a vida do embrião." Para isso, ele sugeriu a autorização para a retirada de uma única célula do embrião, "sem feri-lo".

A movimentação no STF foi bem menor na manhã desta quarta, em comparação com a última sessão que havia tratado do tema. Quando o ministro Menezes Direito começou a ler o seu voto, pouco depois das 8h30, a movimentação maior do lado de fora do STF era de jornalistas. Havia poucos integrantes de movimentos a favor e contra a pesquisa com células-tronco embrionárias. Cenário bem diferente de quase três meses atrás, quando as dependências do Supremo, dentro e fora do Plenário, ficaram tomadas pelo público.

Sessão anterior

No dia 5 de março, o julgamento foi interrompido depois que Menezes Direito pediu vista da Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin), adiando a votação. O pedido foi feito depois que o ministro Carlos Ayres Britto considerou a ação improcedente e defendeu as pesquisas com células-tronco embrionárias. Antes de encerrar aquela sessão, a então presidente do STF, ministra Ellen Gracie, também se manifestou a favor das pesquisas. O ministro Celso de Mello foi outro a declarar seu apoio ao relator, mesmo não tendo formalizado seu voto. Em audiência sobre o assunto, nesta terça-feira, na Câmara dos Deputados, o autor da Adin, Cláudio Fonteles, ressaltou que, independente do resultado desta quarta, o importante era continuar a "clarear a mente das pessoas sobre o assunto."

Ele defendeu ainda que a questão das células-tronco embrionárias fosse discutida paralelamente a temas como o aborto e o Estatuto do Nascituro - que, entre outras coisas, classifica o aborto como crime hediondo. "A Lei de Biossegurança cuida de alimentos. O artigo quinto está totalmente desfocado. O ideal seria colocá-lo dentro do Estatuto do Nascituro", afirmou.
Esta última questão também foi abordada pelo ministro Menezes Direito, que, igualmente, criticou o fato de o tema pesquisas com células-tronco embrionárias estar em uma lei que trata de organismos geneticamente modificados. A Lei de Biossegurança (lei 11.105) foi sancionada em 2005. No mesmo ano, o então procurador-geral da República Cláudio Fonteles propôs a ação defendendo que a vida começa na fecundação.


Com informações da Agência Brasil
28/05/2008 - 03h00
Relatório da Anistia destaca abusos no setor canavieiro

De Márcia Freitas

Em Londres
Preocupações com abusos de direitos humanos no setor de cana-de açúcar -base para a produção do etanol no Brasil- aparecem pela primeira vez em um relatório anual da Anistia Internacional.

"Trabalho forçado e condições de trabalho exploradoras foram registrados em muitos Estados, inclusive no setor de cana-de açúcar, que cresce rapidamente", diz o relatório anual de 2008, com dados referentes a 2007, divulgado nesta quarta-feira.

VEJA MAIS

Anistia condena '60 anos de fracasso'
em direitos humanos
Discurso do Brasil não condiz com realidade interna, diz Anistia
Violência policial no país deixou milharesde mortos em 2007, denuncia Anistia
'Declaração Universal dos Direitos Humanos' é descumprida

Análise: impunidade e segurança ainda preocupam, diz organização

O documento cita casos de resgates feitos pelo Ministério do Trabalho no ano passado, como a retirada de 288 trabalhadores de seis plantações de cana-de açúcar em São Paulo, de 409 resgatados de uma destilaria de etanol no Mato Grosso do Sul e a libertação de mais de mil em condições "análogas à escravidão" em uma plantação da fabricante de etanol Pagrisa, no Pará.

Tim Cahill, porta-voz da organização para o Brasil, diz reconhecer o "papel importante" que o setor tem no crescimento econômico do Brasil, mas que é fundamental que isso não aconteça às custas de violações de direitos humanos (Veja aqui entrevista com o porta-voz da Anistia).

"É importante que o governo brasileiro comece a regulamentar esse setor, a realmente policiar. Nós sabemos que existe algum policiamento por parte do Ministério Público e do Ministério do Trabalho, mas é preciso ser mais forte", afirmou Cahill.

A organização prepara um estudo sobre o impacto do crescimento da agroindústria como um todo sobre a questão dos direitos humanos no Brasil. Além da cana-de açúcar, os setores madeireiro e de produção de laranja também são alvo da investigação.

No relatório anual, a Anistia também afirma que o papel internacional do Brasil como defensor de direitos humanos pode perder credibilidade se o país não conseguir implementar medidas que produzam benefícios dentro de casa.

"Países como o Brasil e o México têm tido posições fortes em defender direitos humanos internacionalmente e em apoiar o sistema da ONU. Mas, a não ser que a distância entre as políticas internacionais desses governos e o seu desempenho doméstico seja diminuída, a credibilidade desses países como defensores de direitos humanos será questionada", diz o documento.

Tim Cahill lembra que o Brasil lutou, por exemplo, pela criação do Conselho de Direitos Humanos da ONU e foi um dos primeiros países a aceitar se submeter a um sistema de análise das condições internas pelo órgão.

Por outro lado, segundo ele, o país teria continuado a não responder a questões importantes, como "por que que a polícia continua a matar e por que que continua a torturar".

"Nós reconhecemos que o Brasil tem um papel importante a desempenhar a nível internacional em relação às reformas e aos avanços internacionais na luta pelos direitos humanos, mas nós continuamos a pressionar para que o país faça coisas concretas para seus próprios cidadãos", disse Cahill.


**********************/////////////////////////////////////////////*************************************************

CELSO LUNGARETTI
...MAS COM GENTE É DIFERENTE

Celso Lungaretti


"Então não pude seguir
valente lugar-tenente
de dono de gado e gente
porque gado a gente marca,
tange, ferra, engorda e mata,
mas com gente é diferente"
(Vandré e Théo, "Disparada")

Estados policiais sonegam a bel-prazer informações vitais para os cidadãos. Foi o que fez a ditadura militar brasileira, p. ex., com as mortes de trabalhadores rurais intoxicados por defensivos agrícolas e com uma epidemia de meningite, sob pretexto de evitar o pânico.O primeiro episódio eu acompanhei bem de perto. Trabalhava na agência de comunicação empresarial que, em meados da década de 1970, foi contratada por uma multinacional para abafar as sucessivas ocorrências de envenenamento de cidadãos brasileiros das áreas rurais.

Tratava-se de um contrato tão crapuloso que a conta era integralmente paga pela tal multinacional, mas o trabalho executado em nome de uma associação fantasma de fabricantes de agrotóxicos, criada às pressas para servir de fachada naquela situação.
Coube-me redigir material de imprensa destacando a contribuição que os defensivos agrícolas estariam dando à agricultura brasileira e os prejuízos terríveis que sua eventual proibição acarretaria: fome da população, desemprego no campo, queda das exportações.

Eram textos aparentemente inocentes, mas não o que estava por trás deles: o raciocínio desumano de que, para evitarem-se tais prejuízos, podiam ser relevadas algumas mortes.
Pior ainda era o papel do dono da agência, que se incumbia pessoalmente de falar com os jornalistas influentes, distribuindo subornos e ameaças veladas. Repugnava-me vê-lo elogiar a si próprio por haver conseguido sustar a publicação de uma notícia que já descera para a gráfica de um grande jornal. "Eu parei as rotativas", dizia, vangloriando-se para empresários interessados nos seus serviços. Participar dessa empreitada foi a primeira grande desilusão de minha carreira jornalística. Muitas outras haveria, com os interesses econômicos prevalecendo sobre o bem comum e eu nada podendo fazer para remediar a situação, sob pena de ficar com o mercado de trabalho totalmente fechado para mim.

Então, graças à censura sobre a imprensa e aos mecanismos de persuasão dos poderosos, o povo brasileiro deixou de ser informado dos riscos que corria quem utilizasse agrotóxicos e das mortes por envenenamento sucedidas em todo o País. A tal multinacional, que jamais ousaria proceder de forma tão leviana no 1º mundo (ao não investir no treinamento adequado dos usuários de seus produtos), conseguiu apagar o incêndio: ministrou rapidamente os cursos que deixara de promover antes e não arcou com as multas astronômicas que lhe seriam aplicadas em qualquer país no qual o governo cumprisse os deveres assumidos com os governados.

De quebra, indenizou mal e porcamente, por baixo do pano, as famílias das vítimas, que não tiveram como obter reparações à altura da gravidade das perdas que sofreram.
Ficou-me também a impressão de que o êxito da operação de acobertamento se deveu ao fato de que os mortos eram irrelevantes. Se os finados não fossem os coitadezas das zonas rurais, certamente aquelas mortes acabariam tendo maior repercussão.
Estas tristes lembranças me foram evocadas pela leitura do relatório anual de 2008 da Anistia Internacional, que acaba de ser divulgado. Nele, pela primeira vez, o setor canavieiro do Brasil, dedicado à produção do etanol, é acusado de abusos e violações de direitos humanos.

"Trabalho forçado e condições de trabalho exploradoras foram registrados em muitos Estados", diz o relatório, acrescentando que o Ministério do Trabalho teve de resgatar 288 trabalhadores de seis plantações de cana-de-açúcar em São Paulo, 409 de uma destilaria de etanol no Mato Grosso do Sul e mais de mil reduzidos a condições "análogas à escravidão" na plantação paraense de uma fabricante de etanol.

As ocorrências do último ano foram tão graves que a Anistia Internacional resolveu elaborar um estudo sobre o impacto do crescimento da agroindústria como um todo sobre o respeito aos direitos humanos no Brasil. Além da cana-de-açúcar, os setores madeireiro e de produção de laranja também estão sob investigação. O relatório ressalta que, caso o Brasil continue tendo um desempenho doméstico tão inferior à defesa que faz dos direitos humanos em termos internacionais, sua credibilidade nessa área será abalada.

Também foi questionada a conivência brasileira em relação às mortes e torturas praticadas por agentes policiais. "As pessoas em comunidades marginalizadas continuam a viver em meio a níveis altos de violência causada tanto por gangues criminosas como pela polícia", diz o relatório. Ressalta, neste sentido, que "a polícia do Rio de Janeiro matou 1.330 pessoas em situações chamadas de resistência seguida de morte, o número mais alto em toda a história do Brasil", manifestando sua preocupação com o apoio de setores do governo federal, inclusive o presidente Lula, a operações "de estilo militarista" no Rio de Janeiro.

O relatório, enfim, é um ótimo alerta para nós: nem os usineiros fazem jus aos louros de novos heróis da Nação, como quer Lula; nem as barbaridades praticadas pelas tropas de elite constituem uma resposta à criminalidade aceitável num país civilizado.

Celso Lungaretti, 57 anos, é jornalista e escritor. Mais artigos em http://celsolungaretti-orebate.blogspot.com/
Comentário: recebi hoje o E Mail abaixo. As acusações são graves e merecem investigação.
RR.

From: Amilcar Brunazo Filho
Date: Wednesday, May 28, 2008 8:00 AM
To :CIVILIS
Subject: Censura prévia no II Simpósio de Direito Eleitoral - SP

A palestra sobre fiscalização das urnas eletrônicas que seria proferida pelo eng. Amilcar Brunazo Filho no II Simpósio de Direito Eleitoral promovido pela Câmara Municipal de São Paulo, pela OAB-SP e pela Fadesp (Federação das Associações de Advogados do Estado de São Paulo)foi censurada e cancelada antes da sua apresentação.

O simpósio, que iniciou-se no dia 26 de maio e termina hoje, dia 28/05,no auditório nobre da Câmara Municipal de SP, tem em torno de 400inscritos, na sua maioria assessores jurídicos de políticos. A palestracensurada estava programada para o dia 27.

O eng. Brunazo é especialista em fiscalização do voto eletrônico,professor da Fadesp (uma das organizadores do evento), representantetécnico do PDT junto ao TSE emoderador do Fórum do Voto-E na Internet.

Na palestra censurada seriam abordados 3 pontos relativos às urnas eletrônicas brasileiras:

a) o uso das urnas-e fora do Brasil, onde seria mostrado que a tecnologia eleitoral brasileira tem sido rejeitada, por sua insegurança, em todo o mundo;

b) a inexistência da tripartição de poderes no processo eleitoral brasileiro que gera, por conseqüência, o autoritarismo do administradoreleitoral e a falta de transparência e a inauditabilidade nas eleiçõeseletrônicas;

c) como os partidos deveriam se preparar para minimamente fiscalizar o voto eletrônico no Brasil.

O convite para o eng. Brunazo apresentar a palestra no simpósio partiu do Adv. Everson Tobaruela, presidente da Comissão de Direito Eleitoral da OAB-SP e a decisão de cancelar a palestra foi assumida pelopresidente da Câmara, o vereador Antônio Carlos Rodrigues (PR), que alegou ter sido informado que "a palestra era polêmica", complementando que não queria que os assessores políticos inscritos viessem a falar
"besteiras sobre as urnas eletrônicas".

Certamente, o argumento de "ser polêmica" não é motivo para se tomar umadecisão, esta sim polêmica, de desconvidar um professor indicado pela OAB e há mais coisas nos bastidores além da "polêmica" das urnas eletrônicas.

Por meio dos organizadores da OAB e da FADESP fomos informados que a pressão sobre o vereador do PR para cancelar a palestra partiu de assessoria da presidência do TRE-SP e, convenhamos, deve se entender a decisão do presidente da Câmara Municipal pois é realmente difícil para um político que concorrerá a uma eleição em menos de seis meses, rejeitar um pedido de um juiz eleitoral, mesmo que a ética do pedido seja questionável.

O que causou este ato de censura prévia, um abuso de poder e uma verdadeira agressão aos princípios democráticos, foi justamente o problema que seria abordado na palestra: a inexistência da tripartição de poderes no processo eleitoral brasileiro gera, por conseqüência, o autoritarismo do administrador eleitoral.

E foi para impedir a compreensão desta realidade pelos inscritos no simpósio que membros da administração eleitoral agiram nos bastidores, subrepticiamente, em defesa de seus próprios poderes que não querem ver tocados e nem mesmo compreendidos pelo cidadão brasileiro.

Censura prévia: você pensava que tinha acabado!!!

[ ]s
Eng. Amilcar Brunazo Filho - Santos, SP
www.votoseguro.org
-----------------
SEI EM QUEM VOTEI,
ELES TAMBÉM,
MAS SÓ ELES SABEM QUEM RECEBEU MEU VOTO


CORREIO POPULAR DE CAMPINAS 28/5/2008


EM DEFESA DA UNICAMP (2)

Roberto Romano

As acusações inverídicas contra a Unicamp, emitidas por frei David dos Santos, o líder da Educafro, mostram que seus ataques não visam apenas conseguir cotas para seus liderados. Elas visam interferir nas formas de recrutamento, ensino e investigações acadêmicas. Depois da ditadura militar e de suas violências no campus, agora vêm os aiatolás com a renovada tentativa de domesticar a universidade em favor da visão teológico-política. A mesma visão que norteia a tutela exercida por vários padres sobre setores do movimento negro. O que mais irrita aqueles clérigos é a autonomia da universidade. Ela impede o exercício de sua peculiar cura d’almas, na qual destruir a essência acadêmica é o maior objetivo, para erigir a fé submissa aos ditames sacerdotais.

Nos séculos 17 e 18 Sorbonne atacou, quando não tinha mais autonomia, a ciência representada por Descartes e Pascal. Tal perda ocorreu no século 16 sob Gerson, o reitor que abandonou a liberdade acadêmica em troca das verbas para o sustento da escola superior. Segundo ele, a universidade deveria fornecer técnicos eficazes à Igreja, ao Estado e à burguesia comercial. Com a Faculdade de Medicina manteria os corpos saudáveis no trabalho e na guerra. As Faculdades de Artes e Decretos orientariam a política. A Teologia formaria os dirigentes das almas. Gerson define rígida hierarquia entre os três setores: primeiro a teologia, depois os estudos jurídicos e a medicina.

A universidade deveria manter a unidade da Igreja e do Estado, ao mesmo tempo em que aperfeiçoava o mercado. Com a perda da autonomia, diz J. Le Goff (Pour un Autre Moyen -Âge) a corporação “dos manipuladores de livros se transformou num grupo de teólogos decoradores de textos que se arvoraram em policiais do espírito e dos costumes, queimadores de livros”. Rei, papa ou comerciantes pagavam as contas das escolas, mas exigiam “o direito de apresentação, o patronato. A corporação universitária não gozava inteiramente de um dos privilégios essenciais das corporações, o auto recrutamento. Ela parece ter-se resignado facilmente a esta limitação de sua independência por vantagens materiais”. Estava pronta a “polícia ideológica a serviço dos poderes. (...) A Renascença vê uma domesticação das universidades pelos poderes públicos” ou pela Igreja.

No século 18 a pesquisa e o ensino livres foram obra de pessoas exteriores à universidade, como os Enciclopedistas liderados por Diderot. No campus, Imanuel Kant, na crítica da desrazão universitária - O Conflito das Faculdades - ironiza as “Faculdades Superiores” (Teologia, Medicina, Direito): “o que mais interessa ao governo é o que lhe possibilita a mais forte influência - e a mais durável - sobre o povo, os objetos das Faculdades superiores são dessa natureza”. Nas faculdades “superiores” não existia liberdade de pesquisa, pois tudo vinha dos ministérios. Nelas era ignorado o uso público da razão, professores e alunos eram postos tratados como crianças que jamais deveriam argumentar contra as decisões dos príncipes. Na universidade assim concebida, diz Kant, o todo é uma fábrica, professores e alunos são engrenagens da máquina que produz obediência coletiva, como nas demais burocracias religiosas ou de Estado.

Essa prática trouxe os piores abusos, a perversão máxima no século 20 totalitário. Energúmenos políticos inventaram a religião blasfema da raça pura e a impuseram aos campi da Alemanha, Itália, França, e demais países de tradição anti-semita (M. Stolleis, A History of Public Law in Germany, 1914-1945).

Quando movimentos dirigidos por religiosos e fanáticos tentam impor regras de recrutamento para a universidade, atentam contra a autonomia acadêmica. O narrado em meu artigo anterior é claro: para domesticar a universidade vale tudo, inclusive o dado falso de que na Faculdade de Medicina da Unicamp, 90% dos que ingressam no vestibular, um ano depois são reprovados. Esta falácia digna da propaganda sem peias, serve o desejo de desmoralizar os campi para neles incutir a suposta justiça clerical. Estranha justiça, cuja base é a falta da necessária verdade. Continuarei o assunto na próxima semana.

terça-feira, maio 27, 2008

Comentário: todos os que têm memória e inteligência recodam a tropa de choque petista a berrar pela transparência, apuração de procedimentos contrários à ética, etc. Hoje, o partido dos sepulcros caiados tem medo de tudo o que pregou em vinte anos de mentiras. É triste, mas é o Brasil dos coronéis, dos oligarcas e de todos os espertalhões da "república".
Roberto Romano




27/05/2008 - 10h34


Serrano defende prorrogação da CPI e diz que Dilma mentiu em depoimento

Publicidade

GABRIELA GUERREIRO
da Folha Online, em Brasília
A senadora Marisa Serrano (PSDB-MS), presidente da CPI dos Cartões Corporativos, disse nesta terça-feira que a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) mentiu ao prestar depoimento à Comissão de Infra-Estrutura do Senado em abril quando disse que o governo não montou dossiê com informações de gastos da gestão Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Serrano disse que houve um dossiê montado pela Casa Civil, o que justifica que a CPI continue suas atividades por mais 30 dias para investigar o caso.

"Houve um dossiê, portanto a ministra Dilma não disse a verdade quando afirmou na comissão que não houve dossiê. Não sabemos quem mandou fazer e o objetivo com que foi feito. É um crime fazer dossiê, resquício do Estado arbitrário. Precisamos de tempo para responder a essas perguntas", afirmou.

Serrano fez um apelo para que os integrantes da CPI aprovem o requerimento para uma acareação de José Aparecido Nunes Pires, ex-secretário de controle interno da Casa Civil, e André Fernandes, assessor do senador Álvaro Dias (PSDB-PR). Os dois prestaram depoimento à comissão na semana passada, mas, segundo a presidente da CPI, deixaram pontos contraditórios sobre o vazamento do dossiê sem explicações. Aparecido é acusado de enviar o dossiê para Fernandes, por e-mail.

"Negar a acareação não é decente. Não compactuamos com nenhum acordo, temos que garantir que a verdade venha à tona inclusive com a lembrança ética do senador Jefferson Péres [morto na última sexta-feira]", defendeu Serrano.

Os governistas ficaram irritados com as acusações da presidente da CPI. O relator da comissão, deputado Luiz Sérgio (PT-RJ), chegou a defender que ela deixasse a presidência e fosse à tribuna para defender o requerimento --uma vez que, como presidente, não tem autonomia para expor suas posições pessoais.

Sérgio reiterou que não vai incluir no texto final da comissão as investigações sobre o dossiê porque considera que a Polícia Federal deve investigar o caso. "Não me interessa saber pontos contraditórios dos depoimentos. O banco de dados da Casa Civil tinha o objetivo de servir à CPI e serviu. Vamos encaminhar contra a acareação, ela não serve ao objeto dessa CPI", enfatizou.

O deputado Carlos Willian (PTC-MG) disse que a comissão será "enterrada" nesta terça-feira porque a base aliada --com ampla maioria na CPI-- vai rejeitar todos os requerimentos de convocação ou acareação. "Essa CPI não andou, está capengando. Hoje vai ser enterrada, não por culpa do governo, mas da própria oposição. Somos governistas, mas não deixamos de apurar os fatos", disse.

Se os requerimentos forem rejeitados, Serrano pretende estabelecer um prazo para a apresentação dos sub-relatórios à comissão. Em seguida, vai marcar um prazo para que o relator apresente seu texto final, o que na prática encerra os trabalhos da CPI.

segunda-feira, maio 26, 2008

A pior notícia do ano, a mais triste.
Obrigado por tudo, caro amigo Alvaro Caputo!



Amigos
Por razões pessoais, estou encerrando a edição das Perolas. Agradeço a todos os que me apoiaram com sua leitura e
palavras de apoio.




domingo, maio 25, 2008

COMENTÁRIO: A UNICAMP NÃO POSSUI COTAS, MAS ATRIBUI UM BONUS AOS ALUNOS DAS ESCOLAS PÚBLICAS, NEGROS E POBRES BRANCOS OU DE QUALQUER OUTRA COR. ESTE SISTEMA É COMBATIDO COM UNHAS E DENTES PELOS DEFENSORES DAS COTAS, QUE O CONSIDERAM O "PIOR" PORQUE IMPEDE, JUSTAMENTE, O POPULISMO. ESTRANHO QUE O JORNALISTA FRED RAPOSO MARSÍLEA GOMBATA NÃO TENHA OUVIDO A UNICAMP PARA ESCLARECER ESTE PONTO. TRATA-SE DE UM LAPSO OU DE ALGO DETERMINADO PELA PROPAGANDAS DOS "COTISTAS" ? SERIA BOM ESCLARECER O PONTO.

Roberto Romano



Jornal do Brasil
Negros superam mito e obtêm boas notas
Fred Raposo Marsílea Gombata

No universo de 54 universidades públicas que nos últimos oito anos adotaram o sistema de cotas, em ao menos quatro, distribuídas pelos principais Estados, alunos negros apresentam desempenho próximo, similar ou até melhor em relação aos não-cotistas.

Resultados iniciais do aproveitamento de cotistas na Unicamp, Universidade Federal da Bahia (UFBa), Universidade de Brasília (UnB) e Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), divulgados semana passada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), derrubam mito de que, graças à ação afirmativa, alunos negros estariam “entrando pela janela” das instituições superiores da rede pública. As notas lhes abriram o caminho da porta da frente.

No biênio 2005-2006, cotistas obtiveram maior média de rendimento em 31 dos 55 cursos (Unicamp) e coeficiente de rendimento (CR) igual ou superior aos de não-cotistas em 11 dos 16 cursos (UFBa). Na UnB, não-cotistas tiveram maior índice de aprovação (92,98% contra 88,90%) e maior média geral do curso (3,79% contra 3,57%), porém trancaram 1,76% das matérias, contra 1,73% dos cotistas.

Aptidão

Em estudo da ONG Educação e Cidadania de Afro-descendentes e Carentes (Educafro) junto à Uerj, estudantes negros e oriundos da rede pública, ingressantes entre 2003 e 2007, apresentaram maior coeficiente de rendimento médio (6,41 e 6,56 respectivamente) em relação aos cotistas (6,37). Índios e deficientes somaram 5,73.

Para a técnica da diretoria de estudos sociais do Ipea, Luciana Jaccoud, um dos fatores que explicam o bom desempenho dos cotistas é a capacidade das instituições de ensino desenvolverem aptidões.

– A própria universidade estabelece pontos mínimos a serem alcançados para que o estudante seja aprovado – analisa Luciana, uma das responsáveis pelo estudo. – Esse instrumento ajuda a regular o desempenho de cada um. O resultado é a formação mais igualitária das capacidades do aluno, seja proveniente da rede particular ou pública.

Colegas de classe, Patrícia Vidal, 21, e José Messias, 20, ingressaram na Uerj, em 2006, por meio do sistema de cotas: ela proveniente da rede pública e ele matriculado como candidato negro. Ambos apresentam CR próximo à média da turma, mas admitem que, não fosse a reserva de vagas, não passariam no vestibular.

– Tive dificuldade no início, mas ao longo do curso vamos entendendo como a coisa funciona, e hoje estamos bem iguais – relata Messias, que mora em Maria da Graça, e viaja 50 minutos de ônibus até a faculdade. – Depois do primeiro período, a defasagem em relação aos demais alunos acabou.

Com CR 8,6, Messias conta que acompanhou treinamento de português e línguas estrangeiras oferecido a cotistas pelo programa Proiniciar. Patrícia tem CR 9,1, mas diz que é a única dos cotistas da turma que ainda não conseguiu estagiar.

– As oportunidades são as mesmas para todos – lembra a estudante, que começou a procurar estágio a partir do terceiro período, mas trabalha com telemarketing antes mesmo de entrar na faculdade. – Assim como os demais estudantes, os outros três cotistas da turma já passaram por dois ou três estágios.

Segundo o Ipea, os bons resultados em sala de aula têm reflexo incompatível com o número de vagas oferecidas aos cotistas.

Ao colocar na ponta do lápis, o Ipea contabilizou mais de 51 mil vagas para negros – acumuladas desde que a medida foi implantada, em 2001, até a projeção para o ano atual. Número inexpressivo, se comparado aos cerca de 1,2 milhão de alunos (entre cotistas e não-cotistas) matriculados na rede pública de ensino superior, em 2005.

Dados do Censo Educacional de 2005 do MEC mostram ainda que instituições públicas realizam, em média, 331 mil matrículas anualmente. Apenas 2,37% (cerca de 7.850) delas são destinadas a estudantes negros, segundo o Ipea.

– O índice não condiz com a realidade – avalia Oliveira Silveira, historiador e idealizador do Dia da Consciência Negra (20 de novembro). – Os negros representam quase metade da população brasileira. Deve haver esforço para aumentar sua participação por meio das vagas.




Knowtec.com



sábado, maio 24, 2008




sexta-feira, maio 23, 2008


quinta-feira, maio 22, 2008






Quinta-feira, às 22h40 - 2° exibição, quarta-feira, às 2h

Participe enviando suas ou comentários para o e-mail
opiniao@tvcultura.com.br

PROGRAMA 22/5

TEMA: A ética da cobertura do caso Isabella


O programa discute a ética na cobertura do caso da morte da menina Isabella, atirada por uma janela do apartamento do pai. Em rede nacional, a tragédia monopolizou o noticiário e deixou no ar a polêmica: onde termina a informação e onde começa o show, co-produzido por jornalistas, promotores e delegados? O programa foi gravado.


CONVIDADOS

Roberto Romano - professor de Ética e Filosofia da Unicamp;
Reinaldo Azevedo - articulista da Revista Veja;
Roberto Tardelli - promotor de Justiça,
Manuel Alceu Affonso Ferreira - advogado, ex-secretário de Justiça de São Paulo



Assuntos que serão tratados no "De Olho na Notícia", desta quinta-feira
(22/05/08) a partir das 13:30 até as 14:30 horas, na TV-Aberta São Paulo , através dos canais 9 da NET e 72 e 99 da TVA :

O BRASIL ATUAL POLÍTICA, E ECONÔMICAMENTE
ANALISADO POR UM ESPECIALISTA
Roberto Romano
Profº. de Política e Ética
da UNICAMP



Presente mais uma vez em nosso programa, o professor de Política e Ética da UNICAMP , Roberto Romano, entrevistado pelo nosso diretor Newton Flora, ex-repórter do jornalismo da Rádio Bandeirantes . Uma análise detalhada da situação política e econômica do Brasil foi feita pelo nosso competente entrevistado.




NO BLOG PEROLAS DE ALVARO CAPUTO...


O país é que mudou bastante. Como os políticos da linhagem a que Ulysses pertenceu, são coisa do século passado mulheres preocupadas com valores éticos ou morais. No Brasil do século 21, quem se casa com um pai da pátria descobre no altar que só é pecado perder a eleição e o poder. O resto pode, até vender a mãe a preço de custo. Vira cúmplice do marido, e cúmplices não fazem perguntas constrangedoras.
A mulher do deputado Paulinho da Força, por exemplo, pergunta se a verba para a ONG já foi aprovada. A mulher do governador Cid Gomes pergunta se pode embarcar a mãe no jatinho. A primeira-dama pergunta pela próxima viagem. E todas dormem o sono dos sem-culpa, porque o remorso foi demitido pela Era da Impunidade.

Augusto Nunes no JB

Sobre os tucanos (eta passaro sem vergonha....)

Ao retomar os trabalhos da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito dos Cartões Corporativos, há pouco, a aliviada senadora Marisa Serrano (PSDB-MS) anunciou a ausência dos últimos quatro parlamentares inscritos para argüir José Aparecido Nunes. Conforme o regimento, a ausência dos inscritos foi considerada como desistência das inscrições, motivo pelo qual Marisa Serrano deu por encerrado o depoimento de José Aparecido, ex-diretor de Controle Interno da Casa Civil da Presidência da República. A CPMI, às vésperas do feriadão, interrompe os rabalhos e volta a se reunir na próxima terça. A pergunta que fica é: que credibilidade o Congresso Nacional quer ter junto ao povo brasileiro? Anotem o nome dos quatro parlamentares ausentes: deputada Perpétua Almeida (PCdoB - AC), deputado Maurício Guimarães (PMDB-BA), deputado Nilson Mourão (PT-AC) e o senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA).

Blog do Coronel

quarta-feira, maio 21, 2008

Comentário: nada tenho a ver com o criticado no artigo abaixo. Não penso como ele, não pertenço a nenhum grupo ao qual ele pertença. Mas gostaria de indicar um vezo dos debates ideológicos brasileiros: quem não concorda tim tim por tim tim com a direita (armada ou parlamentar, porque existiu direita armada no período da ditadura, além das Forças Armadas, claro) ou com a esquerda (armada ou adepta da ação de massas) procede de má fé. Ora, mais de má fé do que os militantes de esquerda armada que, diante das consequências racionalmente previsíveis de seus atos, como, entre muitos outros usar meninos e meninas ainda adolescentes para assaltos e depois, com crueza e covardia extrema, acusaram aquelas crianças de "traição" —não adianta negar, eu estava do Tirandentes e segui um dos casos passo a passo-) desconheço. Tomar uma atitude ou outra sobre o período militar ou sobre os quetomaram armas contra ele, é direito de todos. Ainda aguardo a abertura dos documentos do período, algo que o governo "de esquerda" não quer fazer, para me pronunciar sobre os eventos e as pessoas.

Na "batalha da Maria Antonia" passei noites e dias sentado na esquina da referida Maria Antonia com a Dr. Vilanova, com uma barra de ferro que eu não conseguia levantar. Para nada : eu pesava 54 kilos... Também fiquei na porta da Faculdade de Filosofia, como "segurança" exigindo documentos de identidade de todos os que entravam. Até que um professor, que serviu também como Diretor da Faculdade, Erwin Rosenthal, me deu um tapa nas mãos e me disse "esta é a minha casa, moleque, entro com pleno direito". Me deixando na porta, ele seguiu para o Gabinete da Diretoria. Sobre a escrivaninha, dormia José Dirceu enrolado na bandeira do Brasil. "Acorda vagabundo", disse o professor, dando um pontapé em Dirceu. Porque recordo isso? Porque estas são as minhas lembranças. Mas outros poderiam ver os mesmos fatos com ótica diversa. Não seria má fé deles.

Uma última coisa, quanto à má fé do governo que impera no país. Há coisa de dois anos fui assaltado na Avenida Faria Lima, 24 horas depois de sermos assaltados em nossa casa. Os primeiros ladrões se apresentaram como funcionários da Telefonica, com crachá, uniformes, até mesmo a senha numérica para autorização de entrada em casa (clonaram o telefone, a quadrilha tinha uma central telofonica sofisticada, soubemos quando os seus integrantes foram presos). Fomos à Telefonica para avisar a segurança, para que outros clientes não fossem vítimas também. Fomos péssimamente recebidos na Telefonica, com aqueles atendentes robô que nos disseram :"os senhores precisam estar indo à Rua Sete de Abril, porque são particulares, não firma". Tentei argumentar que eu não tinha "de estar indo" em lugar nenhum, porque queria apenas prestar um serviço aos demais clientes, avisando-os. "Segurança, retire o senhor da fila, porque ele está atrapalhando a mesma". O referido segurança me pediu mil desculpas, mas precisei sair da fila. Pego o carro no estacionamento e somos assaltados na frente da Telefonica, com um 38 na cabeça.

Porque conto esse pequeno drama? Porque ao tentar obter novos documentos de identidade no Poupa Tempo, a funcionária, muito gentil (no papo que tivemos lhe perguntei se era a favor das cotas, posto que era de cor preta, ela bateu com as mãos na mesa e me disse, entre indignada e melancólica : "sou contra e digo aos meus filhos que eles devem entrar na universidade pelos seus méritos, como consegui este emprego pelos meus méritos" fecho o parêntesis) a funcionária me diz : "Interessante: consta de sua ficha policial que o senhor foi preso por terrorismo em 1969, no Cenimar e no Dops, depois no Presidio Tiradentes". Eu replico: "não consta na ficha que eu fui julgado e absolvido por uma Junta Militar, na 2° Auditoria Militar de São Paulo, não consta que fui absolvido por absoluta falta de prova e inexistência de crime?". "Não senhor, só consta a sua prisão e os locais onde o senhor esteve preso". De imediato consultei o Dr. Mario Simas, o anjo que nos livrou de coisas terríveis na cadeia. Ele nada podia informar. Me aquietei. Meses depois, vou à livraria Martins Fontes para comprar alguns livros ingleses (ali existem prateleiras bem fornidas de livros de Cambridge e demais). Fiz as compras, paguei com cheque. O funcionário sobe as escadas rumo ao escritório. Demora algo em torno de 40 minutos. Quando volta, diante da bronca que lhe passei, tenho a resposta "é que o senhor foi preso em 1969, com acusação de terrorismo"...Corri até a estante onde estavam expostos livros brasileiros, peguei um volume do meu Caldeirão de Medéia, mostrei a foto na capa ao rapaz : você acha que se eu fosse ladrão, como é a sua suspeita e a de seu patrão, eu escreveria livros com fotos minhas?

E em outros locais, sempre que apresento a minha identidade, conforme a qualificação do estabelecimento, surge a suspeita, devida à minha ficha.

Contrato um advogado que, após muitas pesquisas, chegou à seguinte situação: para "limpar a ficha" não basta o Habeas data, é preciso pedir anistia. Entrei com o pedido de anistia. E aguardo os resultados.

Pergunto: desde o primeiro governo FHC, passando pelo primeiro governo atual (governos de esquerda, segundo os vários gostos, não o meu) até hoje, é certo, é de boa fé manter fichas assim?

Estou práticamente impedido de sair do país, por um motivo simples: após o 11 de setembro, e após um convenio da policia brasileira com outros países, quando alguém como eu sai do país, sua ficha segue antes dele. Percebem? Imaginem chegar aos EUA ou a outro país onde ocorreram atentados terroristas, com uma ficha de terrorista, sem que os dados da absolvição plena estejam nela contidos.

Boa fé da esquerda? Me desculpem, mas tudo inclina para o juízo contrário.

Penso que antes de usar adjetivos contra os que pensam e escrevem de modo diferente do que pensamos ou escrevemos, mais prudente é lutar para que todos os papéis venham a lume, sem comissões de anistia e quejandos. Até lá, é bom saber que adjetivos são reversíveis. Quem diz que X age de má fé, recebe de Y que também age de má fé. Não existe utilidade para ninguém nesse exercício de xingatórios.

É o que penso.

Roberto Romano



PS: aproveito para convidar a todos para a homenagem a Dom Paulo Arns e seus companheiros religioso de luta contra a ditadura, que será efetivada no Memorial da América Latina. O evento será amplo, mas convido para o debate da mesa redonda do dia 09/06/2008, as 19 horas, segunda-feira, em Homenagem aos humanistas que muito fizeram pela Democracia, e a preservação de vidas humanas no período mais radical do Regime Militar, aos religiosos.

Orador: desembargador Antonio Carlos Malheiros, TJ-SP, e ex-presidente da
Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo.

Palestra inaugural : Prof Roberto Romano, professor de Filosofia e Ética da Unicamp, e autor,
dentre outros, do livro: „Brasil Igreja contra Estado", editora Kayrós,
1979.

Na seqüência as palestras:

Dr Mario de Passos Simas, advogado defensor de presos políticos e
fundador da Comissão de Justiça e paz de São Paulo, e fundador e
presidente do „Centro Santo Dias de Direitos Humanos da Arquidiocese de
São Paulo";

Alexandre Rampazzo, cineasta diretor do filme: „Auto de Fé", Eclipse
Filmes, 2004.
*********************************************************************************

DE FALÁCIAS E MÁ FÉ
Celso Lungaretti (*)



“Em um país sem memória, é muito fácil reescrever a história”, afirmou Marco Antonio Villa, que leciona tal matéria na Universidade Federal de São Carlos, em seu artigo “Falácias Sobre a Luta Armada na Ditadura” (Folha de S. Paulo, 19/05/2008).Confiante nessa facilidade, Villa não se deu sequer ao trabalho de reescrevê-la de com algum apuro, como se constata neste parágrafo, o mais revelador das intenções subjacentes à sua racionália tortuosa:



“Argumentam que não havia outro meio de resistir à ditadura, a não ser pela força. Mais um grave equívoco: muitos dos grupos existiam antes de 1964 e outros foram criados logo depois, quando ainda havia espaço democrático (basta ver a ampla atividade cultural de 1964-1968). Ou seja, a opção pela luta armada, o desprezo pela luta política e pela participação no sistema político e a simpatia pelo foquismo guevarista antecedem o AI-5 (dezembro de 1968), quando, de fato, houve o fechamento do regime.”Que grupos praticantes da luta armada existiam antes de 1964, quando golpistas armados acabaram com a democracia no Brasil, destituindo o presidente legítimo, subjugando o Congresso, extinguindo partidos e entidades legais, cassando, caçando e torturando?



Refere-se, talvez, às Ligas Camponesas de Francisco Julião, que buscavam timidamente e sem muita eficácia responder à violência desenfreada dos latifundiários. Ou aos grupo dos 11 brizolistas, constituídos a partir da resistência ao golpe tentado em 1961 e que acabaram servindo apenas como espantalho útil para a propaganda direitista: nem desenvolveram ações características da luta armada, nem conseguiram evitar que a tentativa golpista seguinte fosse vitoriosa.



E quais foram os grupos de luta armada criados “logo depois” de instaurada a ditadura militar? A única ocorrência nessa linha se deu, na verdade, dois anos depois: o início de implantação de focos guerrilheiros por parte de militares expulsos das Forças Armadas, em Caparaó.Descobertos em abril/1967, foram presos antes mesmo de entrarem em ação. Parafraseando Apparício Torelly, Caparaó foi a guerrilha que não existiu...



A luta armada começou a entrar verdadeiramente na pauta da esquerda brasileira a partir da conferência da Organização Latino-Americana de Solidariedade, em agosto de 1967. Mas, entre a conversão de Carlos Marighella a essa tese e as ações concretas, houve um hiato de vários meses.Então, a organização de esquerda que realmente desencadeou a luta armada acabou sendo a VPR, com um assalto a banco que teve toques de comédia de pastelão. No meu livro Náufrago da Utopia (Geração Editorial, 2005), eu reproduzi assim o relato que ouvi de um dos participantes, o marujo Cláudio de Souza Ribeiro (Matos):

— Nós, os ex-militares, estávamos todos sendo procurados, era difícil arrumar emprego. Chegou um ponto em que não havia mais como conseguir dinheiro para o dia a dia. Então, resolvemos expropriar um banco. Naquele momento foi por necessidade mesmo, não como uma opção política. Levamos duas ou três semanas preparando tudo, vigiando a agência, estudando cada detalhe. Adiamos várias vezes, sempre surgia algum imprevisto. Um dia não tínhamos dinheiro mais nem pra comer, então decidimos: é hoje! Lá dentro deu tudo certo. Mas o pessoal estava tão afobado que quase foi embora me deixando pra trás. Tive de correr atrás do veículo...



Segundo o Matos, alguns assaltos depois a VPR decidiu assumir essas expropriações, espalhando panfletos nos locais. E o exemplo foi seguido pelo grupo do Marighella.
O certo é que a luta armada foi secundária, quase irrelevante, ao longo de 1968. Alguns assaltos a bancos e roubo de armamentos, petardos de baixo poder destrutivo colocados na porta do consulado norte-americano e do jornal O Estado de S. Paulo, o carro-bomba lançado contra o QG do II Exército, a morte de um oficial norte-americano que cursava incógnito uma faculdade paulistana. Nem uma centena de militantes envolvidos.



Enquanto isso, as passeatas aconteciam no Brasil inteiro e a maior delas, no RJ, conseguiu reunir 100 mil manifestantes, além dos artistas e intelectuais mais ilustres da época. Os movimentos estudantil (principalmente) e operário é que deram a tônica da resistência à ditadura militar nesse ano de notável ascensão do movimento de massas.
Então, pelo menos em relação a 1968, Villa não está muito longe da verdade ao dizer que “a luta armada não passou de ações isoladas de assaltos a bancos, seqüestros, ataques a instalações militares e só”. Os militares preferiam minimizá-la e a opinião pública era-lhe indiferente.



Omite, entretanto, que o movimento de massas foi enfrentado com arbitrariedades e violência crescentes por parte da ditadura, começando pelo assassinato do jovem Edson Souto numa inofensiva passeata que tinha lugar num restaurante universitário do Rio de Janeiro.Seguem-se a ocupação militar do município paulista de Osasco, como se o País estivesse em estado de sítio; a sexta-feira sangrenta no RJ, quando 23 pessoas foram baleadas pela repressão e quatro morreram; espancamentos e humilhações a que eram submetidos manifestantes do País inteiro; a generalização das torturas, cada vez mais brutais; a prisão dos cerca de 1.200 universitários que realizavam o congresso da UNE, etc.



Além disso, a ditadura era conivente com a atuação dos grupos paramilitares de direita, que praticaram atentados contra instituições como a OAB e a ABI, seqüestraram a atriz Norma Bengell, espancaram os atores da peça Roda-Viva e assassinaram um secundarista na batalha da rua Maria Antônia (quando agentes das Polícias Civil e Militar que cursavam Direito na Universidade Mackenzie, utilizando armamento privativo de suas corporações, travaram luta desigual com estudantes da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP, que só tinham pedras e rojões para se defender).



O próprio AI-5 foi uma resposta ao discurso que o deputado Márcio Moreira Alves pronunciou numa sessão quase deserta da Câmara Federal e à recusa do Congresso em permitir que ele fosse processado (com medo de que esse precedente abrisse caminho para mais cassações). É indiscutível que, durante todo o ano de 1968, os militares sempre usaram de força desproporcional aos desafios que recebiam, sendo eles os grandes responsáveis pela escalada de radicalização – e não os grupos guerrilheiros, cuja atuação passava quase despercebida.Quanto à existência de um “espaço democrático” entre 1964 e 1968, é uma afirmação tão risível que faz lembrar a piada sobre meia-virgem – tão inexistente quanto a Batalha de Itararé.



Depois que se instalaram no poder com toda truculência (vale lembrar a humilhação e tortura públicas do lendário dirigente comunista Gregório Bezerra, mundialmente repudiadas) e abusaram das arbitrariedades para adequarem o cenário político a seus desígnios, os golpistas sentiram-se seguros para se comportarem como déspotas esclarecidos por uns tempos. Mas, já na repressão bestial às setembradas de 1967 a máscara caiu.Da mesma forma, as artes e o pensamento só foram poupados doobscurantismo enquanto os Torquemadas ainda não haviam aquilatado sua periculosidade. Quando a ficha lhes caiu, impuseram uma censura tão furibunda quanto ridícula (pelas intervenções desastradas em assuntos muito além de sua capacidade de compreensão).



O “fechamento do regime” – eufemismo para o estabelecimento no Brasil de um totalitarismo comparável ao da Alemanha nazista – criou, sim, uma situação em que “não havia outro meio de resistir à ditadura, a não ser pela força”.Com o Legislativo e o Judiciário de mãos atadas, a suspensão do direito de habeas-corpus e a licença para torturar durante 30 dias (prazo de incomunicabilidade que, aliás, os verdugos ultrapassavam a bel-prazer, no meu caso foram 75 dias), o trabalho de massas se tornou suicida para os que o realizavam de peito aberto; e inócuo, no caso dos cautelosos que recorriam a expedientes como o de deixar panfletos nos banheiros de cinemas, restaurantes e locais de trabalho, sem nenhum resultado concreto).



Então, militantes do movimento de massas que não se deixaram intimidar pelo terrorismo de estado, direcionaram-se maciçamente, a partir da assinatura do AI-5, para a luta armada, com os resultados trágicos que todos conhecemos.Aquele famigerado 13 de dezembro foi um divisor de águas. Dali em diante, a ditadura passou a ter como derradeira adversária a vanguarda armada e nela concentrou seu poder de fogo imensamente superior, até aniquilá-la com torturas e assassinatos (incluindo um sem-número de execuções de resistentes rendidos e indefesos).



A simplificação dessa história equivale à sua desfiguração – e o professor Villa sabe muito bem disso. Acreditou que ninguém percebesse a falácia por ele cometida ao estender aos contingentes que ingressaram na luta armada a partir do AI-5 as acusações que faz aos pioneiros.E mesmo com estes foi injusto, ao omitir que os de origem militar foram privados de suas carreiras, perseguidos e levados ao desespero pelo arbítrio instaurado no País, não sendo de estranhar, portanto, que acabassem optando por ações desesperadas. Até para reescrever a história é necessário algum talento. Apenas má fé não basta.

* Celso Lungaretti, 57 anos, é jornalista e escritor. Mais artigos em http://celsolungaretti-orebate.blogspot.com/


PAPAGAIO VOLTA PARA CASA APÓS FALAR ENDEREÇO DE SEU DONO.(UOL)

-QUAL O ENDEREÇO DE V. EXCIA. VISTO QUE NÃO SABEMOS SE O VOSSO PARTIDO É DA OPOSIÇÃO OU DO GOVERNO?
-QUE IMPORTA O PARTIDO? VOCÊS SABEM MUITO BEM QUE, NO GOVERNO OU NA OPOSIÇÃO, MEU ENDEREÇO É O MESMO, ELE NUNCA MUDA, DOS MILITARES AO APEDEUTA: PALÁCIO DO PLANALTO!

Arquivo do blog